sábado, 17 de dezembro de 2016

Silêncio





Silêncio …
Acendes um cigarro.
Tudo parece morto, tudo parece parado…
A madeira range num suave gemido,
Sentes calor, sentes frio…
Ergues te, sentes te desfalecer,
Tens medo, eu sei, não queres sofrer.
- Quem és tu? Hesitante:
- Mãe, mulher, amiga, amante…
De quem te escondes?
De que tens medo?
Talvez do que foste, teu grande segredo…
Silêncio… Acendes outro cigarro.
Agora, agora está tudo acabado.

29 junho de 2016


Sem comentários:

Enviar um comentário