domingo, 22 de abril de 2012

Final de tarde.


Final de tarde!
Sentada, numa duna, deixo que a noite se aproxime.
Olho o horizonte extasiada!
As lágrimas soltam-se perante tanta beleza!
A noite cai, lentamente …
E, lentamente, minhas lágrimas tombam em meu colo …
Tudo sereno, uma brisa suave, agita meus cabelos.
Permaneço sentada…Sensação de paz…
As cores deste final de dia, não deixam meu Ser imune.
Uma cor nostálgica e outonal.
Comungo, quero unir-me, sintonizar meu ser com esta paisagem…
Quero ser esta natureza deslumbrante, que existe, que É sem nada lhe ser exigido.
Quero ser esta natureza, bela porque livre…
Quero ser o que sou sem ameias.
Quero SER!
Alcina Moreira
video


sexta-feira, 20 de abril de 2012

Desilusão


Magoada, mortalmente ferida…
Preciso esquecer esse dia,
Que apaga minha alegria,
Minha vontade de viver…
Meu ser quer apenas vencer,
Esquecer minha alma amargurada
Que da tua se vê apartada.
Meu coração te entreguei,
Dele foste senhor e rei
E transformaste-o em nada.
Mergulhada na dor,
Quero esquecer esse amor
Que me afunda na penumbra
Numa tristeza profunda,
Da qual não consigo fugir.
Preciso esquecer esse passado
Em que viveste a meu lado
E me fizeste feliz…
Hoje, meu dia ensombrado
Quer apagar a ilusão
Dessa efémera paixão
Que outrora julguei eterna.

24 de Junho de 2010

Alcina Moreira

Melodia triste


Magoada, mortalmente ferida…
Preciso esquecer esse dia,
Que apaga minha alegria,
Minha vontade de viver…
Meu ser quer apenas vencer,
Esquecer minha alma amargurada
Que da tua se vê apartada.
Meu coração te entreguei,
Dele foste senhor e rei
E transformaste-o em nada.
Mergulhada na dor,
Quero esquecer esse amor
Que me afunda na penumbra
Numa tristeza profunda,
Da qual não consigo fugir.
Preciso esquecer esse passado
Em que viveste a meu lado
E me fizeste feliz…
Hoje, meu dia ensombrado
Quer apagar a ilusão
Dessa efémera paixão
Que outrora julguei eterna.

24 de Junho de 2010

Alcina Moreira

http://www.youtube.com/watch?v=wlDWXv-cIh8&feature=related

domingo, 15 de abril de 2012

Esquecer

Esquecer

Acendo um cigarro,
A noite passa lenta, melancólica.
Meus olhos fixam o firmamento,
Uma lágrima solta-se,
Sacudida pelo vento.
Penso, penso em ti,
E uma saudade pungente,
Transforma meu sangue em lava ardente.
Preciso esquecer, preciso esquecer o que senti,
Urgente olvidar este amor que me asfixia,
Que possui meu corpo, em letargia,
Que transforma meu dia, em noite sombria.
Urge apagar esta dor,
Dum amor que nunca foi,
Apagar todo o passado,
Dum coração magoado,
Que viveu na ilusão…

22 de Junho de 2010

Alcina Moreira

sexta-feira, 6 de abril de 2012

ALMA SOLITÁRIA


Alma solitária


Corre na calçada, descalça


Uma mão aperta sua angustia,


Outra vai cheia de nada.


Abandonada, perdida,


Procura uma infância escondida,


Castelo de areia que desmoronou,


Quando a tempestade passou.


Olha o infinito, esboça um grito,


Ecoa em seu pensamento,


E fica esquecido no tempo.


Triste, mas já conformada,


Caminha sozinha na estrada...


Vai ao encontro do presente,


Porque o passado fez-se ausente.


Determinada, olha o firmamento,


Esvazia o coração,


De qualquer sentimento,


Troca-o pela severa razão.


Ainda olha para trás,


Apenas por um instante,


Na certeza, que o passado,


É uma memória distante.


Chegada ao seu destino,


Pousa a mala da solidão,


Será a sua companheira,


Até a hora derradeira.


7 de Fevereiro de 2011



Alcina Moreira

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Se eu fosse pintora ...


Se eu fosse pintora fazia uma tela
Onde tu sentisses que a vida era bela.
Se fosse pintora, exibia o olhar daquela criança
Que te recorda a tua feliz infância.
Se fosse pintora, pintava a alegria,
Para que esquecesses a teus dias de agonia.
Se fosse pintora, coloria a saudade,
Para poderes sentir, na recordação, a felicidade.
Se fosse pintora, sanava da pintura a dor,
Para que só experimentasses o prazer do amor.
Se fosse pintora, pintava-te amigo,
Para que lembrasses que estou sempre contigo.
Não sou pintora, mas sou tua amiga,
Entrego-te meu amor, meu coração,
Concedo-te a graça de minha oração.
Que a harmonia, ternura e alegria
Estejam sempre na tua mão.
E os teus dias sejam uma perpétua alegre canção.

19 de Maio de 2010

Alcina Moreira

domingo, 1 de abril de 2012


Queria cantar em jubilo,
Mas a tristeza é mais forte,
Tempestade de angústia me assola.
Quero chorar, mas nem isso me consola.
Preciso de paz, de harmonia,
Senhor, dá-me luz, sê meu guia!
Urge o amor que me sacuda,
Desta torpe agonia.
Meu Deus, dai-me forças,
Para suportar a dor, noite e dia.
A saudade, aperta meu coração,
Sinto-me deprimida,
Vagueio na escuridão.
Vou caminhar só, nesta noite de nostalgia.
Seguirei, com uma triste melodia,
Vem, vem ao meu encontro,
Dá-me a felicidade de te ver, por um dia.
Depois, que se apague a luz de novo,
Suportarei toda a melancolia…
Sabendo-te bem, sabendo-te em sintonia,
Com o sopro suave do vento,
Que levou consigo todo o teu sofrimento.

Alcina Moreira